Os resultados da PNADCT[1] para o Distrito Federal mostram que a taxa de desocupação avançou para 14,1% no 1º trimestre de 2019, ante 12,1% no trimestre anterior. Embora em menor magnitude, o avanço também foi observado na série com ajuste sazonal, que registrou 13,1% ante 12,6% no trimestre anterior. O setor privado com carteira assinada apresentou redução de 6 mil trabalhadores em relação ao último trimestre de 2018, ao passo que o setor privado sem carteira ficou estável. O grande destaque foi o segmento de trabalhadores por conta própria com redução de 17 mil indivíduos. Adicionalmente, cabe observar que o […]

Leia mais

A leitura dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) referentes ao primeiro trimestre de 2018 mostra um quadro menos favorável que o observado no trimestre anterior. Porém, quando se analisa a taxa de desemprego controlando pela sazonalidade do período, observa-se que houve estabilidade, com uma redução de 0,2pp entre o 4º trimestre de 2018 e o primeiro de 2019 (Gráfico 1). Contudo essa estabilidade adveio de uma combinação de redução da taxa de participação, aumento dos postos no setor público e redução pronunciada no número de ocupados no setor privado (Tabela 1). Os registros do Cadastro Geral de […]

Leia mais

Variação no mês e no trimestre Em março, o volume de vendas dos serviços subiu 1,3% quando comparado a fevereiro, descontados os efeitos sazonais. Trata-se de um aumento após duas quedas consecutivas nesta base de comparação. Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o setor apresentou redução de 3,7%, cessando as altas consecutivas nesta base de comparação. Porém, dado a menor quantidade de dias úteis no mês de março por causa do carnaval quando comparado ao mesmo mês de 2018, parte dessa queda pode estar relacionado a isso.  ´ No trimestre móvel encerrado em março, há diminuição de 2,6% […]

Leia mais

No mês de abril, o IPCA de Brasília variou 0,77% em relação a março, quando havia registrado alta de 0,93%. Foi a sexta maior inflação mensal entras as 16 regiões pesquisadas pelo IBGE, sendo maior inclusive que a inflação brasileira, de 0,57%. Já a inflação acumulada no ano para Brasília está entre as três menores do país, bem abaixo do acumulado para o país, de 1,51%. A maior inflação mensal foi registrada em Fortaleza (0,91%) e a menor em Rio Branco (0,05%). Gráfico 1 –Variação (%) mensal do IPCA – Brasil e Regiões Pesquisadas – abril de 2019 O grupo […]

Leia mais

No primeiro trimestre de 2019, a inflação em Brasília avançou em relação ao observado no último trimestre do ano passado – 0,80% ante 0,30%. Em particular, este movimento refletiu reajustes sazonais típicos do início de ano e também choques em setores específicos. Sob este aspecto, cabe destacar o avanço mais expressivo de itens do subgrupo alimentação no domicílio. Em contrapartida, vale mencionar o recuo de itens importantes para a cesta local, como passagens aéreas (-14,4%) e gasolina (-1,11%). Na comparação com as demais regiões pesquisadas pelo IBGE, Brasília permaneceu com o menor avanço no acumulado de janeiro a março. Já […]

Leia mais

Em março, o volume de vendas do comércio varejista ampliado mostrou variação de 0,8% na comparação com fevereiro, quando havia avançado 0,3%, descontados os efeitos sazonais. Contudo, na comparação com março de 2018, o comércio se mostrou em retração de 5,1%. Possivelmente, o menor número de dias úteis pode ter tido influência nesse resultado, quando comparado ao ano anterior. Além disso, contribuiu para este resultado na comparação mensal entre os anos, o desempenho dos segmentos: Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (9,4%), Material de construção (7,3%) e Veículos, motocicletas, partes e peças (0,3%). Desempenho em 12 meses Com […]

Leia mais

Em março de 2019, a Pesquisa de Emprego e Desemprego-PED/DF registrou avanço da taxa de desemprego para 19,5% ante 18,7% em fevereiro. Quando ajustada sazonalmente, a taxa de desemprego ficou em 18,8% da população economicamente ativa, bem próximo ao valor verificado nos dois meses anterior, indicando alguma estabilidade quando retirados os efeitos do período.    Em grande medida, o resultado de março, em relação a fevereiro, reflete o recuo no número de total de ocupados (-14mil), em praticamente todas as categorias. Estes valores foram parcialmente compensados pelo incremento de 8 mil pessoas entre os inativos, diminuindo levemente a pressão sobre […]

Leia mais

O CAGED[1] do DF registrou o fechamento de 355 postos de trabalho em março de 2019. O desempenho foi ruim comparado ao saldo positivo de 3.744 vínculos, registrado em fevereiro e, também, quando comparado ao mesmo mês do ano anterior, quando foram criadas 1.284 vagas. Parte desse movimento pode estar atrelado ao menor número de dias úteis no mês de março, devido ao carnaval. Isso explicaria a concentração da criação de vagas em fevereiro.  Gráfico 1 – Saldo da movimentação entre demitidos e admitidos – jan./2016 a mar/2019 – Distrito Federal Todos os grandes setores da economia tiveram redução de […]

Leia mais

Em fevereiro, o volume de vendas dos serviços reduziu 4,5% quando comparado a janeiro, descontados os efeitos sazonais. Trata-se da segunda queda consecutiva nesta base de comparação. Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o setor apresentou avanço de 4,2% – terceiro mês consecutivo de crescimento nesta base de comparação. Portanto, os dados sugerem uma perda de fôlego mais recente do setor de serviços, embora em níveis melhores que aqueles observados no ano passado.  No trimestre móvel encerrado em fevereiro, há avanço de 0,9%, ligeiramente abaixo do verificado em meses anteriores. Isto corrobora o cenário de desaceleração mais recente […]

Leia mais

Em fevereiro, o volume de vendas do comércio varejista ampliado mostrou variação de -1,7% na comparação com janeiro, quando havia avançado 1,6%, descontados os efeitos sazonais. Contudo, na comparação com fevereiro de 2018, o comércio se mostrou em alta de 5,7%. Possivelmente, o maior número de dias úteis teve alguma influência nesse resultado, quando comparado ao ano anterior. Além disso, contribuiu para este resultado na comparação mensal entre os anos, o desempenho de segmentos importantes como Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (40,7%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (14,6%), Material de construção (9,6%) e Veículos, […]

Leia mais