O CAGED[1] do DF registrou a criação líquida de 1.921 postos de trabalho em julho de 2019. Em grande medida, o resultado foi consequência do avanço no setor de serviços (1.504) e na indústria (432).  Novamente, o bom desempenho dos serviços médicos, odontológicos e veterinários exerceu grande impacto sobre o setor (1.262). Na indústria, por sua vez, cabe observar o avanço na indústria de transformação (386), que havia registrado redução no mês anterior, e na construção civil (108). Do lado negativo, destaque-se que a redução do número de empregos no setor de educação (-348) é um movimento sazonal.  

Tabela 1 – Saldo da movimentação entre demitidos e admitidos – julho de 2019 – Brasil e DF

Fonte: CAGED/PDET/Ministério da Economia

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, com exceção da agropecuária, os outros dois setores mostraram resultado bem mais positivo. A indústria apresentou avanço expressivo, principalmente a indústria de transformação, que saiu e um saldo negativo para um positivo. Já entre os serviços, destaque-se o saldo positivo do comércio, varejista e atacadista, e dos serviços de alojamento e alimentação. Todos esses três segmentos, em julho do ano passado haviam fechado postos de trabalho, este ano, criaram novos postos.

No acumulado em 12 meses

No acumulado em 12 meses, o DF apresenta um saldo líquido de 19.812 vínculos empregatícios ante 17.250 em junho. O resultado mantém a trajetória ascendente do mercado formal local, que oscila em torno de um patamar positivo de criação de empregos.

Gráfico 1 – Saldo da movimentação entre demitidos e admitidos (CAGED) – Distrito Federal

Fonte: Caged/Ministério da Economia; elaboração Codeplan


[1] O CAGED é uma base de dados auto declaratória, com periodicidade mensal, de caráter preliminar. O CAGED oferece informações referentes ao mercado formal de trabalho, e não inclui dados de movimentação de servidores públicos.