A taxa de desemprego observada em agosto foi de 18,3%, apresentando uma relativa estabilidade quando comparada com a taxa anterior de 18%. Contudo, na série ajustada sazonalmente, a taxa de desemprego ficou em 18,9%, 0,9 pp maior que a observada em julho, o que indica que o componente sazonal é significativo neste período do ano.

O número de ocupados se manteve inalterado em relação a julho. As maiores movimentações nas posições ocupadas se deram no setor privado, que encerrou o mês com -15 mil trabalhadores, e na posição de autônomo que registrou 8 mil novos ocupados.

O crescimento do setor público, com 6 mil novos ocupados, foi responsável por atenuar o impacto do setor privado no total de assalariados que diminuiu em 9 mil ocupados.

A redução de ocupados do setor privado foi determinada por uma redução nas ocupações com carteira assinada (-8 mil) e sem carteira assinada (-7 mil).

O número de desempregados apresentou crescimento, atingindo 313 mil pessoas, uma variação de 1,6% em relação a julho.

O rendimento médio real dos ocupados apresentou variação positiva de 0,5% em julho na comparação com junho, e um crescimento de 3,7%, em comparação a julho de 2018.

Tabela 1 – Indicadores do mercado de trabalho – Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) – Distrito Federal – agosto 2019