Em fevereiro de 2020, o IPCA de Brasília variou 0,35% em relação a janeiro, quando havia registrado -0,12%. Foi a sétima maior variação entre as 16 regiões pesquisadas pelo IBGE. Já o Brasil apresentou variação de 0,25%.

Gráfico 1 – IPCA – Variação mensal e acumulada no ano (%) – Brasil e Regiões Pesquisadas – Fevereiro de 2020

 Fonte: IBGE/ Elaboração: Codeplan/Gecon-Nupre

O índice é resultado predominantemente da contribuição positiva do grupo Educação e negativa do grupo Habitação. O primeiro variou em 4,20% (contribuição de 0,32 p.p.) em função dos reajustes anuais nos Cursos regulares, ocorrência natural do período de matrículas escolares. Já o segundo, com variação de -0,79% (contribuição de -0,11 p.p.), é reflexo da mudança da bandeira tarifária de energia elétrica de amarela em janeiro para verde em fevereiro, levando a uma redução de -3,07% nos preços da Energia elétrica residencial.

Apesar de apresentarem contribuições mais amenas, é importante ressaltar dois outros grupos. Dentro de Alimentação e bebidas, um destaque foi o item Carnes, cuja variação de -6,05% (contribuição de -0,09 p.p.) reverteu uma alta no grupo. Já no grupo de Transportes, a queda acentuada nos preços da Passagem aérea (-7,30%), também devida a questões sazonais, segurou a pressão inflacionária do reajuste do Ônibus urbano, iniciada em janeiro.

Gráfico 2 – IPCA – Variação mensal (%) e contribuição (p.p.), por grupo – Brasília – Fevereiro de 2020

Fonte: IBGE/ Elaboração: Codeplan/Gecon-Nupre

Tabela 1 – IPCA – 10 maiores e menores contribuições (p.p.) e suas respectivas variações mensais (%), por subitem – Brasília – Fevereiro de 2020

Fonte: IBGE/ Elaboração: Codeplan/Gecon-Nupre

O IPCA do Brasil acumula, em doze meses, 4,01%. Com isso, o indicador se encontra alinhado com a meta de inflação perseguida pelo Banco Central em 2020, de 4,00% (ante 4,25% para o ano de 2019). As faixas superior e inferior se mantêm no intervalo de 1,50 p.p., resultando em um limite superior da meta de 5,50% e inferior de 2,50% para o ano. O valor para inflação nacional projetado no Boletim FOCUS para 2020 é de 3,20%[1], sinalizando uma expectativa de inflação bem controlada para o período.

Gráfico 3 – IPCA – Variação percentual acumulada em 12 meses – Brasil e Brasília* – Fevereiro de 2020

Fonte: IBGE/ Elaboração: Codeplan/Gecon-Nupre.

* Os valores em 2020 para o IPCA de Brasília desprezam a mudança na estrutura da série, servindo como balizadores preliminares.

INPC

O INPC – índice que mede a inflação das famílias com rendimentos entre um e cinco salários mínimos – registrou alta de 0,25% em fevereiro. O valor abaixo do registrado no IPCA (0,35%) deve-se ao fato de que, apesar da contribuição inflacionária do reajuste do Ônibus urbano ser maior no INPC (0,20 p.p., contra 0,07 p.p. no IPCA), ambos os itens Cursos regulares e Carnes apresentam contribuições menores. No caso do primeiro, cujos preços tiveram variação positiva no mês, isso ocorre pelo menor peso do item no orçamento familiar das famílias de menor renda. Já no caso das Carnes, o fenômeno é o oposto: como o item variou negativamente e seu peso é maior no INPC, sua contribuição deflacionária teve maior importância nesse índice.

Gráfico 4 – Variação (%) mensal do INPC – Brasil e Regiões Pesquisadas – Fevereiro de 2020

Fonte: IBGE/ Elaboração: Codeplan/Gecon-Nupre

A análise dos grupos do INPC revela novamente uma variação grande da Educação (3,74%) encabeçada pela alta de 4,45% no item Cursos regulares. Já os Transportes apresentam maior pressão inflacionária, com variação de 0,93% (ante 0,26% no IPCA), uma vez que o Ônibus urbano, em alta, possui um peso maior no índice, enquanto a Passagem aérea, em queda, possui um peso menor. Finalmente, as retrações nos preços dos grupos de Alimentação e bebidas e Habitação são explicados pela queda no item Carnes e no preço da Energia elétrica residencial.

Gráfico 5 – INPC – Variação mensal por grupo (%) – Brasília – Fevereiro de 2020

Tabela 3 – INPC – 10 maiores e menores contribuições (p.p.) e respectivas variações mensais (%), por subitem – Brasília – Fevereiro de 2020

Fonte: IBGE/ Elaboração: Codeplan/Gecon-Nupre


[1] Relatório de Mercado do Boletim FOCUS, do Banco Central, do dia 06 de março de 2020. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/content/focus/focus/R20200306.pdf