Resumo

  • A taxa de desemprego do Distrito Federal ficou em 17,8% em novembro de 2020. O resultado mostra melhora no mercado de trabalho local.
  • A taxa de participação apresentou sua quinta alta consecutiva e atingiu 64,5%.
  • O setor de serviços aumentou o número de ocupados em suas atividades. Entre novembro e outubro de 2020, 37 mil pessoas (+4,0%) passaram a trabalhar nesse segmento.
  • Já o Comércio e a Construção apresentaram contração total de 5 mil trabalhadores entre novembro e outubro, com variações de -1,3% e -2,6%.
  • O rendimento habitual médio de outubro de 2020 apresentou queda real de 2,3% em relação a setembro de 2020.

Gráfico 01 – Evolução da taxa de desemprego e da taxa de atividade – Distrito Federal –  abril de 2020 a novembro de 2020 – %

Fonte: PED – CODEPLAN. Elaboração: GECON/DIEPS/CODEPLAN.

Em novembro de 2020, o contingente de desempregados do Distrito Federal foi estimado em 288 mil pessoas, o que representa que cerca de 17,8% da população procurou por uma vaga de trabalho sem sucesso. O percentual representa uma queda de 0,7 pontos percentuais (p.p.) em relação ao mês anterior, quando foi de 18,5%, e reflete, principalmente, o aumento dos indivíduos ocupados acima do crescimento da população economicamente ativa.

Essa expansão da PEA se deveu ao aumento da taxa de participação, que passou de 63,6% no mês anterior para 64,5% em novembro de 2020, a quinta alta consecutiva no indicador, contribuindo para aumentar a taxa de desemprego em 1,0 p.p. No entanto, esse comportamento traz também um aspecto positivo, representando uma possível melhora na percepção dos trabalhadores quanto às perspectivas de conseguir uma ocupação, o que os motivou a retomar a busca por um posto de trabalho. Por conta disso, verificou-se uma redução de 19 mil pessoas fora da força de trabalho no Distrito Federal entre outubro e novembro de 2020.

Gráfico 2 – Decomposição da variação da taxa de desemprego – Pontos percentuais (p.p.) – Distrito Federal – novembro de 2020

Fonte: PED – CODEPLAN. Elaboração: GECON/DIEPS/CODEPLAN.

O nível de ocupação, igualmente, subiu entre outubro e novembro de 2020, passando de 1,29 milhão de pessoas para 1,32 milhão (Tabela 1). Os segmentos que contribuíram para o crescimento do emprego na região foram os Serviços (37 mil pessoas ou +4,0%) e a Indústria de transformação (1 mil pessoas ou +2,2%). Os demais segmentos apresentaram variações negativas, porém insuficientes para contrapor o resultado expressivo dos setores destacados acima. A Administração Pública, Defesa e Seguridade Social ­apresentou contração de 1 mil pessoas (-0,6%), a Construção, de 2 mil empregados (-2,6%), e o Comércio e reparação, de 3 mil indivíduos (-1,3%).

Tabela 01 – Estimativa do número de ocupados, segundo setores de atividade – Distrito Federal – outubro e novembro de 2020

Outro ponto positivo foi que o acréscimo no número de ocupados observado no mês corrente veio, majoritariamente, do setor privado com carteira assinada, responsável por absorver cerca de 17 mil pessoas a mais (3,4%) que o nível observado no mês anterior. Isso é importante por representar uma qualidade melhor dos empregos gerados, uma vez que os indivíduos com carteira assinada têm direito a assistências trabalhistas. Todas as posições na ocupação tiveram incremento no número de empregados, como indicado na Tabela 2, com exceção das Demais posições, que observaram uma redução de 6 mil pessoas (-5,6%) entre outubro e novembro de 2020.

Tabela 02 – Estimativas do número de ocupados, segundo posição na ocupação – Distrito Federal – outubro e novembro de 2020

Com o aumento da oferta de trabalho de quase todos os segmentos do mercado de trabalho local acima do crescimento do Setor público (+1,7%), historicamente possuidor de remunerações mais elevadas, a remuneração média do trabalhador do Distrito Federal diminuiu. Entre setembro e outubro de 2020, os ocupados perceberam uma redução de 2,3% no seu rendimento médio real. Ainda assim, todas as posições na ocupação aproveitaram aumento no indicador no período. Os salários do Setor privado crescerem 2,2%, enquanto o Setor público (+0,8%) e os Trabalhadores autônomos (+0,1%) experimentaram variações também positivas, porém menos intensas.

Tabela 03 – Estimativas consolidadas da Pesquisa de Emprego e Desemprego do Distrito Federal – outubro e novembro de 2020

Fonte: PED – CODEPLAN. Elaboração: GECON/DIEPS/CODEPLAN.