Resumo

  • A taxa de desocupação do Distrito Federal encerrou o ano de 2020 em 14,2%, recuando 1,4 pontos percentuais em relação ao trimestre passado, porém crescendo 1,7 p.p. em relação ao quarto trimestre de 2019.
  • A população ocupada no Distrito Federal apresentou queda de 5,3% no último trimestre de 2020 em comparação ao mesmo período do ano anterior, representando uma redução de 77 mil pessoas ocupadas.
  • Em relação ao trimestre passado, o crescimento de 4,8% no número de ocupados superou o avanço de 1,1 p.p. na taxa de participação local, ou seja, do número de pessoas efetivamente procurando emprego no período.
  • O rendimento real médio dos trabalhadores locais foi de R$ 4.355 no quarto trimestre de 2020, apresentando estabilidade (variação de +0,4%) em relação à igual período do ano anterior.

Gráfico 1 – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral – Taxa de desocupação, com e sem ajuste sazonal – Distrito Federal – 1T2016 a 4T2020

Fonte: PNAD Contínua Trimestral/IBGE. Elaboração: GECON/DIEPS/Codeplan.
Dessazonalização realizada através do método X13-ARIMA-SEATS.

A taxa de desocupação do Distrito Federal encerrou o ano de 2020 em 14,2%, apresentando queda de 1,4 pontos percentuais em relação ao trimestre anterior. Os dados vêm da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral, divulgada pelo IBGE. O resultado é tradicional do último trimestre do ano, uma vez que estabelecimentos comércios ampliam suas contratações em função dos feriados e festas de final de ano, mas reflete também a gradual recuperação do mercado de trabalho após as medidas restritivas à circulação de pessoas e de suspensão de estabelecimentos comerciais do primeiro semestre.

A população ocupada no Distrito Federal apresentou aumento de 63 mil pessoas (4,8%) entre o terceiro e quatro trimestres do ano. Apesar de positivo, o valor ainda se mantém insuficiente para compensar a contração do mercado de trabalho observada ao longo do ano de 2020, de forma que quando comparado com o quarto trimestre do ano anterior, o resultado passa a apontar queda de 5,3% no número de ocupados locais (-77 mil pessoas). Ainda assim, esse valor é inferior ao observado na mesma comparação no 3º trimestre de 2020, quando havia sido de -10,0%.

A taxa de desemprego local caiu apesar de um aumento na taxa de participação da força de trabalho, ou seja, do número de pessoas efetivamente procurando emprego no período. Isso significa que o número de novas contratações foi extenso o suficiente para absorver os novos entrantes no mercado de trabalho e ainda reduzir o quadro de desocupados previamente existente. Essa taxa passou de 61,4% no terceiro trimestre para 62,5% no quarto, apontando indícios de recuperação da confiança da população em suas perspectivas de conseguir emprego. O indicador, porém, ainda se encontra abaixo do observado no mesmo trimestre do ano anterior (66,6%).

Conforme destacado anteriormente, o comportamento do mercado de trabalho do Distrito Federal ainda é negativo quando comparado ao mesmo período do ano anterior. No que se refere às ocupações dos trabalhadores, houve redução no número de empregados em quase todas as ocupações. As exceções foram o setor público, com crescimento de 7,0% (22 mil pessoas), e os trabalhadores familiares auxiliares, com variação de +66,7% (4 mil pessoas).

Entre os demais segmentos, o mais atingido foi o de trabalhadores domésticos com carteira assinada, que apresentou variação de -43,5% no período (-20 mil pessoas). Apesar de menos intensa, a variação negativa observada no setor privado com carteira assinada (-6,1%), gerou a maior contração absoluta no número de ocupados local (-32 mil pessoas), devido à maior participação desse setor na economia local. Em ambas as posições, o número de trabalhadores sem carteira assinada também caiu (-23,2% e -13,2%, representando -16 mil e -18 mil pessoas, respectivamente). Os empregadores (-12,8%) e os trabalhadores por conta própria
(-2,1%) completam o saldo negativo da comparação interanual, representando conjuntamente uma redução de 16 mil pessoas no contingente de ocupados do Distrito Federal.

Por fim, o rendimento médio real dos trabalhadores locais foi de R$ 4.355 no último trimestre de 2020, valor que representa um crescimento de 3,0% do montante de R$ 4.230 registrado no terceiro trimestre do ano e uma estabilidade (variação de +0,4%) em relação quarto trimestre de 2019. Esse resultado foi influenciado pelo crescimento da participação do setor público no mercado de trabalho distrital, setor esse que historicamente possui remuneração mais elevada que os demais.

Tabela 1 – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral – Principais resultados – Distrito Federal – 4T2020

Fonte: PNAD Contínua Trimestral/IBGE. Elaboração: GECON/DIEPS/Codeplan.