Autor: CODEPLAN

Em fevereiro, o volume de vendas dos serviços reduziu 4,5% quando comparado a janeiro, descontados os efeitos sazonais. Trata-se da segunda queda consecutiva nesta base de comparação. Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o setor apresentou avanço de 4,2% – terceiro mês consecutivo de crescimento nesta base de comparação. Portanto, os dados sugerem uma perda de fôlego mais recente do setor de serviços, embora em níveis melhores que aqueles observados no ano passado.  No trimestre móvel encerrado em fevereiro, há avanço de 0,9%, ligeiramente abaixo do verificado em meses anteriores. Isto corrobora o cenário de desaceleração mais recente […]

Leia mais

Em fevereiro, o volume de vendas do comércio varejista ampliado mostrou variação de -1,7% na comparação com janeiro, quando havia avançado 1,6%, descontados os efeitos sazonais. Contudo, na comparação com fevereiro de 2018, o comércio se mostrou em alta de 5,7%. Possivelmente, o maior número de dias úteis teve alguma influência nesse resultado, quando comparado ao ano anterior. Além disso, contribuiu para este resultado na comparação mensal entre os anos, o desempenho de segmentos importantes como Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (40,7%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (14,6%), Material de construção (9,6%) e Veículos, […]

Leia mais

No mês de março, o IPCA de Brasília variou 0,93% em relação a fevereiro, quando havia registrado deflação de 0,18%. Trata-se da única região pesquisada pelo IBGE a registrar inflação mensal (0,93%) maior do que o acumulado no ano (0,80%). Note-se ainda que a inflação acumulada no ano para Brasília é a menor entre as regiões pesquisadas e é quase metade do acumulado para o país, de 1,51%. No entanto, o resultado no mês foi maior em Brasília do no país. São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre foram as regiões principais contribuições positivas para a inflação mensal […]

Leia mais

A produtividade mensura a capacidade de produção de uma economia dada certa quantidade de insumos ou fatores de produção. A evolução dessa medida ao longo do tempo lança luz sobre a trajetória de uma economia. Se houve incremento de produtividade, significa que se produziu mais com a mesma quantidade de insumos, provavelmente incentivando mais investimentos. Os ganhos econômicos de aumento de produtividade ocorrem mesmo que este se dê em apenas um setor, pois pode ocorrer um efeito transbordamento para toda a economia. Entre as medidas de produtividade existentes, uma das mais conhecidas é a produtividade do trabalho, que mensura a […]

Leia mais

O CAGED[1] do DF registrou a geração de 3.229 postos de trabalho em fevereiro de 2019. O desempenho foi superior ao registrado em fevereiro de 2018 quando foram criados 1.875 vínculos. Aparentemente, houve recuperação do registrado em janeiro de 2019, que havia sido de 1.467 postos criados, inferior à média do mês de janeiro, de 1.466. No mês, destaca-se o avanço do setor de Serviços, influenciado, sobretudo, pelo Ensino (+974 vínculos) e Transportes e comunicações (+844). Cabe a menção ao Comércio, que mostrou fechamento de vínculos no Comércio varejista (-309) e avanço no Comércio Atacadista, com abertura de 345 postos. […]

Leia mais

Em fevereiro de 2019, a Pesquisa de Emprego e Desemprego-PED/DF registrou avanço da taxa de desemprego para 18,7% ante 18,3% em janeiro. Quando ajustada sazonalmente, a taxa de desemprego ficou em 18,7% da população economicamente ativa, mesmo valor verificado no mês anterior.    Em grande medida, o resultado de fevereiro reflete o recuo no número de ocupados no setor privado com carteira assinada (-17 mil) bem como no de trabalhadores autônomos (-9 mil). Estes valores foram parcialmente compensados pelo incremento de 3 mil novas ocupações no setor privado sem carteira assinada, de 7 mil no setor público e de 8 […]

Leia mais

No mês de fevereiro, o IPCA de Brasília recuou 0,18% em relação a janeiro. Trata-se da única região metropolitana pesquisada pelo IBGE a registrar deflação no mês. Considerando o pequeno avanço de janeiro (0,05%), o acumulado no ano também segue em terreno negativo (-0,13%). Gráfico 1: Variação (%) mensal do IPCA – Brasil e Regiões Pesquisadas – fevereiro de 2019.             Fonte: IBGE/ Elaboração: Codeplan/Gecon-Nupre O grupo com maior contribuição para o resultado do mês foi Transportes: em Brasília, o grupo registrou variação de -2,85%, ao passo que na média nacional a variação foi de -0,34%. Mais especificamente, o recuo de […]

Leia mais

O Distrito Federal possui um perfil econômico diferente do resto do país, por ser capital federal, por ser unidade federativa e município ao mesmo tempo (Brasília). O reflexo na economia dessa condição institucional pode ser observado em diversas informações e estatísticas, entre elas o Produto Interno Bruto (PIB) da região. O texto abaixo tem por objetivo expor algumas características econômicas do Distrito Federal, a partir da análise da evolução de seu PIB – estimado, todos anos, pelo IBGE em parceria com a Codeplan. A partir da comparação da evolução do PIB do Distrito Federal com o PIB brasileiro ao longo […]

Leia mais

Em janeiro, o volume de vendas do comércio varejista ampliado mostrou variação de 1,5% na comparação com dezembro, descontados os efeitos sazonais. Na comparação com janeiro de 2017, o comércio se mostrou estável, com -0,1%. Contribuiu para este resultado o desempenho antagônico de segmentos importantes como Móveis e eletrodomésticos (-9,8%) e Livros, jornais, revistas e papelaria (-15,3%) do lado negativo eArtigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (10,8%) e Material de construção (14,5%) do lado positivo. O resultado também ficou estável na comparação entre o trimestre encerrado em janeiro e aquele encerrado em outubro. Desempenho em 12 meses Com […]

Leia mais

No primeiro mês do ano, o volume de vendas dos Serviços reduziu 1,2% quando comparado a dezembro, descontados os efeitos sazonais. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o setor apresentou avanço de 7,4% – terceiro mês consecutivo de crescimento nesta base de comparação. Após um trimestre de números positivos, o indicador mostra avanço de 2,1% no acumulado nos últimos três meses, continuando em sua trajetória ascendente. Desempenho em 12 meses O Setor de serviços não financeiros encerrou o acumulado em 12 meses com avanço de 2,7%. O valor é o maior desde junho de 2015. O gráfico […]

Leia mais