O IPCA/Brasília registrou variação de 0,05% no mês de janeiro de 2019, quarta menor variação registrada entre as regiões pesquisadas pelo IBGE, ou seja, bem inferior à média nacional que foi de 0,32%. O resultado refletiu, de um lado, o aumento do preço do feijão-carioca (24,31%) e das taxas de condomínio (2,61%), e, de outro lado, o recuo de 3,36% no preço da gasolina. Vale ressaltar que este item vem mostrando queda contínua nos últimos meses.

Também vale mencionar as quedas nos preços de passagens aéreas (-2,88%) e nos preços do tomate (-13,28%), ambos produtos haviam pressionado fortemente a alta da inflação de dezembro de 2018. Adicionalmente, cabe destacar que o grupo de maior contribuição no mês foi Alimentos e bebidas (-0,04%), com alta da alimentação em casa e fora dela. Trata-se do grupo com maior peso na cesta dos consumidores e que tem o costume de apresentar alta no início do ano.

Tabela 1 – IPCA – Variação frente ao mês anterior e variação acumulada em 12 meses, por grupos – (%) – janeiro de 2019 – Brasil e Brasília

Fonte: IBGE/ Elaboração Codeplan/GECON-Nupre

No acumulado em 12 meses, a IPCA avançou para 3,27% ante 3,06% no mês anterior. O valor faz com que a inflação em Brasília se mantenha próxima ao limite inferior da meta de inflação (2,75%). No Brasil, a inflação também teve um pequeno avanço, de 3,75% em dezembro para 3,78% em janeiro – neste caso mais próxima do centro da meta de 4,25%. Note-se que a meta de inflação em 2019 foi modificada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e passou a ser 4,25% com intervalos de tolerância definidos entre +/-1,5pp, isto é, entre 2,75% e 5,75%.

Gráfico  –  IPCA – Variação percentual acumulada em 12 meses – Brasil e Brasília – setembro de 2015 a janeiro 2019

Fonte: IBGE/ Elaboração Codeplan/GECON-Nupre

O INPC/Brasília registrou uma variação um pouco maior do que o IPCA em janeiro, de 0,11%. Este resultado deve-se, em grande medida, ao menor peso dos itens que tiveram maior deflação no mês, como a gasolina e as passagens aéreas, de forma que seu papel de âncora no IPCA não é tão forte no INPC.

Tabela 2 – INPC – Variação frente ao mês anterior e variação acumulada em 12 meses, por grupos – (%) – janeiro de 2019 – Brasil e Brasília

Fonte: IBGE/ Elaboração Codeplan/GECON-Nupre

 

Para baixar o Informe Econômico, clique aqui

Para acessar o Boletim de Inflação – IPCA – INPC, clique aqui