Resumo

  • O nível de atividade do setor de serviços do Distrito Federal registrou queda de 2,3% em julho de 2021 em relação a junho de 2021. No Brasil, houve alta de 1,1% na mesma comparação.
  • No acumulado em 12 meses, o resultado é uma contração de 2,5% no DF, enquanto o Brasil teve alta de 2,9%.
  • Os Transportes, atividades auxiliares e correio apresentaram a maior alta mensal, com uma variação de 108,1% em relação a julho de 2021 e de 5,7% no acumulado de 12 meses.
  • As atividades turísticas da capital apresentaram queda de -0,3% na comparação a junho de 2021. No Brasil, houve alta de 0,5%.

Variação no mês

O nível de atividades do setor de serviços do Distrito Federal apresentou queda de 2,3% em julho de 2021 na comparação com o mês de junho 2021, já descontado o efeito sazonal do período. É o primeiro resultado negativo após três meses positivos consecutivos para o setor, que acumulava resultados negativos causados pelos impactos da pandemia de Covid-19 no país desde março de 2020. A nível nacional, a variação mensal foi de alta de 1,1%, na mesma comparação.

Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o resultado é uma alta de 13,6% para a capital federal, em parte, em função de um efeito base, já que o setor não teve bons desempenhos durante a pandemia diante das inúmeras restrições impostas. Seguindo o ritmo, o Brasil também registrou uma grande alta nessa comparação, 17,8%.

Desempenho em 12 meses

No acumulado em 12 meses, o desempenho do volume de serviços prestados no DF em julho é ruim (-2,5%), mas segue dentro da trajetória de recuperação iniciada em fevereiro de 2021, quando registrou o menor valor na série histórica. Com isso, o setor vem registrando resultados negativos cada vez menores, indicando que, se a tendência observada se mantiver, será apenas uma questão de tempo para que esse indicador volte a apresentar variações positivas. Isso não acontece desde julho de 2019, quando a PMS registrou variação acumulado de +1,3%.

Segmentos de Serviços

Analisando o desempenho do setor por segmentos, dois dos cinco segmentos obtiveram resultados negativos na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sendo eles Serviços de informação e comunicação (-5,0%) e Outros serviços (-1,9%).

Já os Transportes, atividades auxiliares e correio destacam-se com variação positiva de 108,1% em comparação a julho de 2020. Novamente, o efeito base se vê presente, uma vez que, durante a pandemia, as necessidades de deslocamentos foram significativamente reduzidas. No acumulado em 12 meses, o segmento apresentou variação positiva de 5,7%.

Em seguida aparecem os Serviços prestados às famílias que registraram alta de 35,8% em julho de 2021 ante julho de 2020. Entretanto, o segmento registra o pior resultado no acumulado em 12 meses, com variação de -20,1%, ainda refletindo os impactos causados pela pandemia nesse setor que foi o mais afetado no período.

Fechando os segmentos, temos os Serviços profissionais, administrativos e complementares que apresentaram variação de 5,0% contra o mês de julho de 2020. Entretanto, no acumulado em 12 meses, o segmento apresenta o segundo pior resultado, com queda 6,1%.

Serviços de turismo

No Distrito Federal, as atividades turísticas tiveram estabilidade e fecharam julho de 2021 com leve queda de 0,3%, contra o mês de junho de 2021. A nível nacional, a estabilidade se manteve, apresentando uma leve alta de 0,5% na mesma comparação. No acumulado em 12 meses, tanto o Distrito Federal (-12,5%) quanto o Brasil (-13,2%) apresentaram variações negativas.

A Pesquisa Mensal de Serviços é realizada pelo IBGE e abrange empresas formalmente constituídas, com 20 ou mais pessoas ocupadas, que desempenham como principal atividade um serviço não financeiro, excluídas as áreas de saúde e educação. Todos os dados apresentados têm como fonte o IBGE.